A importância da Previsão Orçamentária em Condomínios

Entenda melhor sobre previsão orçamentária, a importância dela e como obter uma previsão de qualidade

A previsão orçamentária é exigida pela Lei do Condomínio. Ela deve ser apresentada pelo síndico e conselho fiscal à assembleia geral ao menos uma vez por ano, obrigatoriamente. Podendo ser realizada no final do ano ou no início do ano vigente (de janeiro a março). Sendo assim, devido a importância, trouxemos neste texto algumas informações importantes sobre a previsão orçamentária.

O que é Previsão Orçamentária?

A previsão orçamentária é um relatório anual onde devem ser apresentadas aos condôminos as despesas e receitas esperadas para o próximo ano. Assim, é possível se organizar e planejar futuras ações, cortar despesas desnecessárias, verificar caixa disponível para obras e pensar em meios de aumentar a receita.

Qual a importância da previsão orçamentária em condomínios?

Como você já sabe, a previsão orçamentária se trata de uma forma de organizar os gastos futuros do condomínio e planejar as atitudes financeiras futuras nele. Este documento tem o potencial de responder perguntas importantes para o planejamento do local, tais como:

  • O condomínio terá dinheiro para realizar obras futuras?
  • Será necessária a revisão de certos contratos estabelecidos com terceiros?
  • Quais despesas podem ser cortadas?
  • Quais são as oportunidades para aumentar a receita?
  • Qual a comparação entre a previsão daquele ano e a do ano passado?

Se o relatório for feito cuidadosamente e com detalhes, estas indagações podem ser respondidas de forma satisfatória, de maneira que criarão caminhos e oportunidades para melhorias consideráveis na gestão do condomínio e para o bem-estar dos moradores. Sendo o principal motivo para isso, a estabilidade de gestão que é gerada pela organização e transparência dos processos internos do local. 

A previsão orçamentária também é eficiente para montar uma linha do tempo e analisar qual a evolução anual das contas do condomínio. Estes dados também podem ser fonte importante de argumentos na hora de reajustar as taxas exercidas, dando uma base concreta e credível para os moradores do porquê da necessidade de reajustes, chegando a uma solução razoável para ambas as partes.

Como o valor é calculado?

A previsão orçamentária se dirige para um levantamento de gastos e ganhos futuros, então todos os pontos que serão calculados tem como base serem projetados para o ano seguinte. A primeira coisa a ser levantada é a receita que o condomínio traz, ou seja, tudo o que ele ganha. Nessa conta você poderá acrescentar as taxas de condomínio, do aluguel de espaços comuns (como churrasqueira e salão de festas) e outras eventuais fontes de renda. Se quiser, você pode usar como base a previsão do ano anterior para agilizar o processo, já que em condomínios, normalmente, a receita varia muito pouco de um ano para o outro.

Depois disso, você deverá contabilizar todas as despesas, sendo elas despesas fixas, como contas de luz, água, gás e prestadores de serviços. Este levantamento te dará visibilidade de quais despesas vêm aumentando com os anos e devem ser repensadas. Além das despesas fixas, o gestor deverá contabilizar as melhorias que serão executadas no condomínio, elas podem não ser tão fáceis de se prever para o ano seguinte como as despesas fixas, contudo, tem algumas ações que podem ser pensadas, planejadas, como uma pintura ou reforma.

Depois de calcular os ganhos e gastos, deve-se olhar para a inflação. Assim como em qualquer outro modelo de gestão, ela precisará ser analisada e seu valor deverá ser contabilizado no próximo ano do condomínio. Ela implica principalmente em reajustes que precisarão ser feitos com despesas trabalhistas, contas e materiais para o condomínio. Além dos reajustes que serão feitos graças a inflação, deve-se também avaliar os reajustes que serão aplicados em contratos de um ano para o outro, isso significa que contratos com terceiros, com funcionários e de serviços periódicos devem ser avaliados para entender no que eles impactarão nas despesas do condomínio e se vale ou não a pena renegociar ou procurar um novo fornecedor.

A inadimplência precisará ser avaliada também, isso faz parte da rotina de um gerente de condomínio, já que muitos moradores podem ter problemas financeiros, por isso mesmo que a inadimplência deve ser contabilizada em seu balanço, ou seja, é necessário que se puxe, baseado nos anos anteriores, o número médio de pessoas que não pagaram o condomínio e outras taxas para se descontar de sua previsão de ganhos para o próximo ano. 

O último mas não menos importante ponto a ser colocado nesta equação é a reserva. Ela é muito importante porque, como quase tudo na vida, coisas inesperadas podem acontecer e é importante que o condomínio saiba lidar com elas de forma competente, causando o menor malefício possível para o condomínio e seus moradores, sendo assim, é fundamental que o condomínio planeje fazer uma reserva monetária para o ano seguinte.

Esperamos que esse texto tenha te ajudado. Se precisar de auxílio ou alguém que realize as tarefas, venha conhecer o Grupo Veralana e saiba mais sobre nossos serviços terceirizados para condomínios!

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on twitter

Fale Conosco

Tem uma pergunta ou deseja entrar em contato com a gente?
Envie-nos uma mensagem.