Guia da Administração de Condomínios

A definição de condomínio é: uma posse de duas ou mais pessoas, uma co propriedade. São espaços em que diferentes pessoas convivem, morando ou trabalhando. É uma opção boa para ter um custo de vida mais barato, pois diversas contas de manutenção e segurança podem ser divididas em diversas porções. 

 Com o crescimento de áreas urbanas, a popularização de condomínios, houve a necessidade de se criar uma legislação para esse tipo de edificação, assim como um cargo responsável pela administração do local: o síndico. Apesar de ser o responsável principal, não é o único que deve cuidar dessa parte administrativa.

Por que uma administração é necessária em condomínios?

Como a própria definição já expõe, tem, pelo menos, duas pessoas envolvidas. Existem gastos com água, energia, funcionários, obrigações tributárias, que precisam ser cumpridas. Precisa haver uma centralização dessas funções para ter uma ordem, uma harmonia na vivência.

Essa centralização é levada à figura do síndico. Esse cargo é ocupado por uma pessoa que se candidatou para tal e foi eleita através de uma votação dos condôminos, geralmente, em uma assembleia. 

Quem ocupar a posição de síndico não precisa, se quer, morar no condomínio de que é responsável. Também não necessita de uma formação acadêmica para isso. Contudo, é um ponto positivo se a pessoa tiver conhecimentos de gerenciamento e jurídicos. 

Essa pessoa fica encarregada em zelar pela manutenção do condomínio, pelos interesses em comum dos condôminos, pelo cumprimento das normas internas. Assim, promovendo a harmonia na vivência e bem-estar local. 

Caso haja necessidade, é o síndico que responde civil e criminalmente pelo condomínio, uma vez que seu nome é atrelado ao CNPJ do local enquanto exercer a função.

O que pode favorecer uma boa administração

Alguns pontos podem ajudar que a administração tenha sucesso em relação ao condomínio. Alguns locais preferem contratar empresas especializadas nesse trabalho, justamente para ter organização, centralização e os conhecimentos necessários. 

De qualquer maneira, os aspectos ideais que a pessoa encarregada da administração possua são:

  • Conhecimentos jurídicos – um condomínio pode ter funcionários, que demandam de leis trabalhistas. Existe também a Lei 4.591/64, que é a Lei dos Condomínios. É essencial que a pessoa responsável pelo condomínio tenha ciência dessa lei em específico para entender todos os direitos e deveres que as pessoas que convivem ali têm. Por conta da convivência de diversas pessoas no mesmo local, é necessário entender tanto sobre o Código Civil quanto do Código de Defesa do Consumidor.
  • Um pouco relacionado com conhecimentos jurídicos, o administrador do condomínio deve ter conhecimento a respeito do Regulamento Interno. Caso seja necessário, revisar alguns pontos, adicionar ou excluir algumas regras. A legislação municipal, estadual ou federal pode exigir coisas novas com o passar dos anos. Também existem condomínios antigos, que certas normas não fazem mais sentido. Por isso, há a importância de rever o Regulamento periodicamente. 
  • Conhecimentos financeiros e de contabilidade – um condomínio tem alguns gastos, assim como obrigações tributárias. O síndico ou administrador necessita ter noções básicas a respeito de contabilidade. Vai ser preciso elaborar folhas de pagamentos, prestar contas aos condôminos, entre outras funções que requerem conhecimentos um pouco mais específicos.
  • Habilidades de comunicação e para lidar com pessoas – o síndico ou administrador principal necessita desempenhar diversas funções perante aos que convivem no condomínio. Pode ser que necessite contratar funcionários e delegar atividades. Além disso, precisa ser respeitado e ouvido pelos moradores. Em caso de uma reunião, atuar como um líder. Se houver situações de desentendimento, ser um mediador, que consiga resolver os problemas. 

O que uma má administração pode acarretar

O condomínio funciona como uma empresa. Caso gerido de forma desapropriada e desorganizada, pode “quebrar”, se afundando em dívidas, comprometendo o local. Isso também pode gerar uma completa desarmonia na vivência dos condôminos.

A pessoa responsável pela administração, como o síndico, tem seu nome e CPF atrelados ao CNPJ do condomínio e pode chegar a responder judicialmente por algum possível descuido da gestão.

Empresas administradoras de condomínios

Hoje em dia, é muito comum ter empresas que prestam serviços terceirizados de administração de condomínios. Dentre o que é oferecido, pode até encontrar síndicos “profissionais”.

O benefício de contratar esse tipo de empresa é a imparcialidade perante conflitos entre condôminos. Por se tratar de um serviço mais profissional e não de alguém que convive naquele condomínio todos os dias com os demais condôminos, as regras tendem a ser respeitadas mais a risca.

Além disso, dessa forma, a equipe que lida com o condomínio tem todo o conhecimento necessário, seja jurídico ou administrativo. Profissionais que estão acostumados e sabem lidar com situações comuns ou extraordinárias de um ambiente assim. 

A Veralana está há mais de 20 anos no mercado. Oferecemos soluções customizadas para sua empresa ou condomínio. Temos serviços desde portaria e recepção até apoio administrativo.

Quer saber mais? Entre em contato conosco. 

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on twitter

Fale Conosco

Tem uma pergunta ou deseja entrar em contato com a gente?
Envie-nos uma mensagem.